Arquivo da categoria: Mecânica sem segredo

Os carros antigos são mesmo mais seguros que os novos?

Amigos GearHeads

Todo GearHead já entrou em discussões nas quais há comparação entre a segurança veicular entre carros novos e antigos.

Quem nunca discutiu com aquele tio ou amigo fã de antigos que defende fervorosamente a tese de que os modelos de 30 ou 40 anos atrás protegem mais porque “a lataria é mais dura”, “eles amassam menos”, “os carros novos desmancham com qualquer batidinha” ou “carro de plástico não protege os ocupantes”?

Para quem entende o mínimo sobre o assunto, é evidente que os modelos atuais se mostram muito mais seguros e que as zonas de deformação programada, as quais fazem o veículo amassar nos lugares corretos para proteger os ocupantes, se mostram um grande avanço na redução de mortes e lesões dos passageiros.

Mas como uma imagem vale mais que mil palavras, os vídeos abaixo mostram na prática o avanço gigantesco na segurança veicular. O primeiro mostra um teste de impacto…

Ver o post original 53 mais palavras

Anúncios

Colocar aerofólio e saias no carro melhora a aerodinâmica?

body_kit_feio

Muitos apaixonados por carros gostam de melhorar a aparência e performance de seu veículo. Ou pelo menos deixá-lo mais bonito. Principalmente se for um modelo popular, encontrado aos milhares nas ruas. Seu dono deseja ter um exemplar único com pouco investimento. Os proprietários de exemplares mais caros, com orçamentos de cinco dígitos, buscam aprimoramentos mais expressivos de performance e design.

Isso posto, uma das primeiras alterações a ser cogitadas consiste na instalação de body kits completos, com aerofólios, saias dianteiras, traseiras, laterais e outros apêndices aerodinâmicos. O resultado estético varia conforme o gosto do dono, como mostra a foto acima. Mas instalá-los melhora mesmo a aerodinâmica?

Precisamos avaliar caso a caso, conforme as variáveis abaixo:

Continuar lendo

Muito além do turbo: outras modificações para melhorar o desempenho do motor do seu carro

preparação completa de motor

Este motor recebeu preparação profunda, com troca de muitos componentes mecânicos

No artigo anterior, falou-se sobre o chip de potência. Esta preparação rápida e descomplicada costuma ser feita por motoristas que desejam leves incrementos de performance. Para os que buscam desempenho verdadeiramente esportivo, a troca de partes móveis do motor se mostra mandatória.

Quando se menciona preparações com vista a grandes aumentos de potência do motor, a instalação de um turbocompressor surge como primeira opção na mente da maioria das pessoas. Entretanto, um bom projeto deve ir muito além do simples uso do “caracol mágico”.

Conheça outros componentes fundamentais para um bom projeto de preparação:

Continuar lendo

“Kit padaria”: a receita mais simples para aumentar a potência do seu motor

kit padaria chip de potência

Este simples componente eletrônico permite aumentos de potência e torque muito expressivos, especialmente para motores sobrealimentados.

Muitos entusiastas desejam aumentar os números de potência e torque dos motores de seus automóveis. A primeira modificação que vem à mente consiste na instalação de um turbocompressor, naturalmente.

Por outro lado, a peça custa muito caro e sua instalação se mostra complexa e demorada, pois uma boa preparação exige a troca de diversas partes do motor para seu adequado rendimento. Sem contar as constantes quebras e dificuldades de utilização do veículo no dia-a-dia.

Visando à solução destes inconvenientes, empresas especializadas em preparação de motores desenvolveram uma solução simples, de fácil instalação, relativamente barata, a qual dispensa a necessidade de modificações mecânicas e pode ser facilmente revertida: o chip de potência ou “kit padaria”.

Descubra se ele serve para você.

Continuar lendo

Taxa de compressão e sua influência na performance

taxa de compressão pmi pms

Em 2003, os motores com tecnologia bicombustível surgiram no mercado brasileiro com o VW Gol 1.6 Total Flex, o primeiro modelo a ser lançado comercialmente após dez anos de testes, em conjunto com a fornecedora Magnetti Marelli.

Após este marco de desenvolvimento, a esmagadora maioria dos veículos vendidos no Brasil empregam este recurso tecnológico, mesmo que haja rejeição por parte considerável do público.

Desde então, os motoristas quebram a cabeça fazendo cálculos para descobrir qual combustível permite rodar gastando menos: álcool ou gasolina. Geralmente baseados em aproximações como o álcool passa a ser vantajoso se custar menos de 70% do preço da gasolina.

Sinto muito informar, mas não é possível saber com precisão se o seu veículo funciona melhor com um ou outro, pois cada carro possui seu quociente próprio do preço do álcool/gasolina baseado em suas características de projeto.

Para compreender melhor, é necessário compreender um conceito técnico denominado TAXA DE COMPRESSÃO para não desperdiçar dinheiro. Este é o tema desse post.

Continuar lendo

Como fazer seu carro andar mais e consumir menos sem gastar um centavo

como fazer seu carro andar mais e consumir menos sem gastar um centavo

O título deste artigo parece uma chamada de marketing de algum produto automotivo que promete milagres, mas entrega resultados nulos ou muito aquém do esperado.

Nada disso.

Estas práticas descritas abaixo são consagradas e aplicadas em competições desde tempos imemoriais. E você pode usar no seu carro com excelentes resultados. Sem gastar um centavo. 

Leia abaixo e veja que não tem segredo.

Continuar lendo

Câmbios de 9 e 10 velocidades. Para quê tanta marcha?

câmbio de muitas marchas

Nos primórdios da indústria automotiva, o simples fato de um veículo andar sem tração animal já se mostrava algo fantástico. Os motores raramente rendiam mais de 10 cavalos de potência e não ultrapassavam os 40 km/h. Assim, podiam ser conectados diretamente ao eixo de tração.

Como era de se esperar, a tecnologia progrediu rapidamente e os propulsores passaram a entregar até 100 cavalos na primeira década do século XX. Logo, os engenheiros perceberam que poderiam aprimorar a performance dos veículos acoplando caixas de transmissão entre o motor e as rodas, a exemplo de equipamentos industriais como teares e moinhos e outros veículos como os trens. Inicialmente, foram usados sistemas de duas marchas, baixa e alta.

Com a marcha da tecnologia de transmissões, chegamos ao tempo no qual podemos adquirir facilmente modelos com até dez marchas – excetuando caminhões e ônibus com suas reduzidas. Mas quando se fala sobre as vantagens das múltiplas marchas, os céticos sempre fazem a pergunta fatídica:

PARA QUÊ TANTA MARCHA?

A resposta é muito clara…

Continuar lendo