Arquivo da tag: vendas

Como Trocar de Carro – Treinamento Online

como_trocar_de_carro

A página Educação Automotiva tem como principal missão a disseminação de conhecimentos e informações sobre o mundo automotivo, publicando matérias e dirimindo as dúvidas mais comuns dos motoristas, consumidores e entusiastas de carros e demais veículos.

Um dos momentos nos quais muitas pessoas buscam conhecimento sobre carros é na hora da compra ou troca de seu possante. Nesta hora, a maior parte das dúvidas aparece.

Por isso, promovo o treinamento online COMO TROCAR DE CARRO SEM PERDER DINHEIRO, de autoria de Michael Oliveira e João Paulo Machado, especialistas em mercado de veículos seminovos e usados.

Saiba mais sobre o curso  COMO TROCAR DE CARRO neste link

No curso, eles compartilham sua experiência e ensinam os aspectos mais importantes na compra, venda, troca e financiamento de veículos, como escolha do modelo ideal, exame de veículos expostos, preparação do seu usado para venda, psicologia do consumidor, entre muitos. Assista ao vídeo com uma entrevista com o autor do curso na emissora Record News:

O treinamento está à venda na plataforma Hotmart por R$ 297,00, podendo ser parcelado no cartão de crédito. Os valores estão sujeitos a alteração. Saiba mais no site comotrocardecarro.com.br.

O investimento em conhecimento sobre carros tratá retorno por muitos anos. Um pequeno investimento pode trazer economias substanciais ao comprar seu veículo por um valor justo, com menos despesas com manutenção e instrução sobre os melhores financiamentos com as taxas de juros mais favoráveis ao comprador.

Um investimento de poucas centenas de reais trará economia imediata de muitos milhares. Adquira seu curso COMO TROCAR DE CARRO no link abaixo.

COMO TROCAR DE CARRO – ADQUIRA SEU TREINAMENTO

Anúncios

Brasil, vendas de veículos Abril/2016

Matéria publicada pelo blog carvanbustruck e compartilhada por Educação Automotiva. Ela detalha as vendas no mês de abril de 2016 e explicita a profunda mudança que o mercado automotivo brasileiro está passando. para o bem e para o mal.

————————————————————————————————————

Á Comentários: o mês continua estressante em volume de vendas, e a grande surpresa é a queda da Ford em veículos de passeio, sendo ultrapassada pela Hyundai e Toyota e com outras mais novatas já no…

Fonte: Brasil, vendas de veículos Abril/2016

Comercial polêmico: Fiat Palio líder de vendas em 2014

Após 27 anos de reinado absoluto e ininterrupto do VW Gol como líder de vendas, o seu arquirrival Fiat Palio o desbancou como best-seller no mercado brasileiro, por uma margem de apenas 386 unidades. Foi o suficiente para o marketing da montadora de Betim fazer uma peça altamente provocativa à rival, ao estilo da Nissan.

Discussões acaloradas entre fanboys de ambas as marcas tomaram o Brasil. Leia mais sobre a rivalidade VW x Fiat neste artigo.

Ironicamente, a alegria da Fiat não passou de 2014. Nos últimos meses de 2015, a sua outra rival, a GM, tomou a liderança do Palio e o líder de vendas de 2015 foi o Ônix. Confira a peça:

Ônix é o carro mais vendido do Brasil em 2015. O brasileiro cansou dos pés-de-boi.

Desde 1986 a história se repetiu: todos sabiam que o VW Gol seria líder de vendas de automóveis no mercado brasileiro. Em 2014, tivemos uma grande surpresa em dezembro: ele havia sido desbancado pelo seu arquirrival, o Fiat Palio, por uma margem apertada de apenas 386 unidades. Foi o fim de uma era que durou 27 anos, quatro a mais do que seu irmão mais famoso, o Fusca, o qual foi o preferido dos consumidores por “apenas” 23 anos. Continuar lendo

Hyundai passa a Ford e quer ser líder de vendas até 2020. Será que ela consegue?

hyundai hb20

Na primeira quinzena de outubro, a Hyundai ultrapassa a Ford em vendas e passa a ser a quarta colocada do ranking. No acumulado de dez anos, foi a marca de maior crescimento. Tal desempenho comercial ocorreu nos Estados Unidos na década passada, alçando a fabricante coreana à quinta posição do ranking daquele disputado mercado.

Tal fenômeno também observado em terras tupiniquins, especialmente após o lançamento de seu best-seller, a linha HB20, o terceiro modelo mais vendido por aqui. Eles são produzidos em Piracicaba, interior de São Paulo. O sucesso comercial e o rápido crescimento se mostram inquestionáveis. Mas os executivos querem mais: eles querem ser líderes do ranking da Fenabrave. Será que eles vão conseguir?

Em outros posts, já falamos sobre o quarteto fantástico, as quatro marcas de maior crescimento, na qual a Hyundai se inclui, e sobre outra marca, a Toyota, seus trunfos e fraquezas. Agora é a vez da montadora sul-coreana: Continuar lendo

O QUE UMA MONTADORA PRECISA OFERECER AOS CLIENTES PARA CRESCER NO MEIO DA CRISE AUTOMOTIVA NO BRASIL?

carros

A queda nas vendas de veículos nos primeiros quatro meses de 2015 supera 25% em relação ao mesmo período de 2014. Agregada à crise econômica geral que assola o Brasil, as montadoras passam por grandes dificuldades e precisam se reinventar urgentemente. Neste momento delicado do mercado automotivo, é possível ocorrer algo bom?

Em chinês, o anagrama para a palavra crise embute dois significados: perigo e oportunidade. Perigo para os fabricantes acomodados e que confiam em que tudo permanecerá como sempre foi. Estes acabarão perdendo participação no mercado e serão menos relevantes no futuro. Em casos mais graves, serão obrigados a encerrar as operações por aqui, a exemplo da Mazda e da Alfa Romeo no final dos anos 90. Oportunidade para aquelas que vislumbrarem as mudanças na mente do consumidor e oferecerem produtos inovadores que atendam aos seus anseios. Estas empresas verão sua fatia aumentar, passarão a ser grandes players e estarão na cabeça dos motoristas, como Honda, Toyota e Hyundai conquistaram na última década, obtendo mais de 10% do mercado brasileiro.

A pergunta que não quer calar é a seguinte:

O QUE UMA MONTADORA PRECISA OFERECER AOS CLIENTES PARA CRESCER NO MEIO DA CRISE AUTOMOTIVA NO BRASIL?

Converso muito sobre carros com meus amigos e familiares. Compreendo que há uma mudança latente na mentalidade do consumidor de veículos brasileiro, e a montadora que se antecipar em comercializar as mudanças que identifiquei abaixo certamente crescerá. Assim, as enumero em ordem de importância:

  1. Confiabilidade mecânica: ninguém gosta de frequentar oficinas, muito menos de ficar na rua. As montadoras que mais ganharam mercado na última década (Honda, Toyota e Hyundai), tem como principal trunfo a fama de apresentar poucos defeitos. Tais marcas se dão ao luxo até de cobrar mais caro por isso e ainda ganham mercado, obtendo crescimento em meio à crise automotiva. Por outro lado, as marcas que têm fama de quebrar muito têm despencado em vendas, caso da Peugeot e Citroën, as quais venderam menos da metade de 2014.

Então posso afirmar: os fabricantes que investirem em qualidade e confiabilidade crescerão, e os que não melhorarem este quesito não terão mais espaço aqui.

2. Equipamentos de série nos veículos de entrada: Faz um bom tempo que carro completo é muito mais do que ar condicionado, vidros/travas elétricas e direção hidráulica. Somados aos obrigatórios airbag duplo e freios ABS, podemos afirmar que este é o novo básico. O consumidor brasileiro não quer mais pagar mais de R$ 30 mil reais em um popular 1.0 sem estes itens, mas infelizmente ainda os encontramos em nosso mercado. Com a entrada de novas marcas, especialmente as chinesas, que comercializam veículos completos por preços competitivos, faço a segunda afirmação:

O fabricante que oferecer veículos modernos e completos a preços competitivos, de preferência abaixo dos R$ 30 mil, ganhará muito espaço no Brasil. Os que insistirem em vender modelos pelados e caros definharão.

3. Qualidade igual à encontrada em países desenvolvidos: Todos sabem que os carros são absurdamente caros no Brasil. Para piorar, a qualidade se mostra inferior aos similares de primeiro mundo. Recebemos veículos com design semelhante por fora, mas menos seguros, equipados, com motores defasados e acabamento (muito) empobrecido. As montadoras tiram equipamentos, pontos de solda da carroceria, os materiais de revestimento interno são inferiores e a tecnologia é defasada. Na Europa, os veículos são comercializados por valores tão altos como por aqui, mas o nível de qualidade é bastante superior. Ou seja, pagamos mais e levamos menos. Daí deriva a terceira oportunidade para a montadora que quiser sair vencedora da crise:

A marca que oferecer veículos com nível de qualidade, tecnologia, segurança e acabamento iguais aos oferecidos nos mercados desenvolvidos, praticando preços compatíveis, ganhará espaço no mercado brasileiro. A montadora que continuar comercializando carros com nível de qualidade inferior, “depenados”, inseguros e a valores altos, perderá relevância rapidamente.

4. Consumo de combustível e desempenho: com o forte aumento do preço dos combustíveis no Brasil, devido ao escândalo de corrupção na Petrobrás e problemas estruturais na rede de distribuição, o consumidor compromete parcela cada vez maior de sua renda para abastecer seu veículo. E isso dói no bolso. Assim, um dos pontos mais valorizados na escolha de uma carro novo passou a ser o baixo consumo. Com a difusão de tecnologias como o turbocompressor e os sistemas híbridos, que alternam gasolina/álcool e eletricidade, as montadoras devem investir em veículos mais limpos e econômicos. No segmento de entrada, o motorista não deseja mais aquele veículo fraco em subidas e ultrapassagens. Então, conclui-se:

A montadora que investir na oferta de motores eficientes, limpos, de baixo consumo e bom desempenho prosperará. A que se limitar a ofertar tecnologia obsoleta sofrerá declínio.

5. Acessórios e design: este tópico contém uma característica inerente ao consumidor brasileiro, a qual tem seu lado positivo e negativo. Ele gosta de exclusividade e de possuir algo que seu vizinho não tem. Com a popularização dos equipamentos de conforto e segurança como ar condicionado, airbags, ABS, direção hidráulica, dentre outros, eles deixaram de ser diferencial. O fabricante que quiser se destacar da concorrência deve investir em itens que chamam a atenção do cliente pela exclusividade, como centrais multimídia, câmeras de ré, iluminação diferenciada e acessórios estéticos como aerofólios, saias laterais e frisos cromados diversos, os quais incrementam o design e dão a sensação de estar dirigindo um carro mais caro.

O brasileiro cansou de andar em carros de aparência simplória e sem diferenciais. A empresa que oferecer um carro com visual mais exclusivo e equipamentos diferenciados e tecnológicos terá muito espaço. Quem continuar oferecendo carros padronizados e sem detalhes verá a concorrência levar seus clientes.

6. Pós-venda: com o salto de qualidade e da prestação dos serviços de pós-venda, o comprador de carro zero quilômetro não quer mais frequentar a oficina mecânica do seu bairro. Para ele, o ideal é apenas levar nas revisões programadas pagando um valor pré-definido pela montadora, em um concessionário que o atende em uma sala clara, com café e ar-condicionado e com um consultor capacitado para dar todos os esclarecimentos em linguagem clara e acessível. Nada de oficinas sujas e bagunçadas, com um mecânico falando nomes de peças complicados e com a chance de levar um susto ao saber do valor do serviço.

O consumidor moderno não quer saber de detalhes técnicos. Não quer oficinas sujas e bagunçadas. Quer garantias longas e com regras claras. Revisões com intervalos longos e sem oferta de serviços caros e desnecessários. O brasileiro quer seu carro com manutenção em dia sem que se exija conhecimento técnico e grandes preocupações com tempos de troca. Ele espera apenas uma coisa:

A montadora que ajudar o cliente a cuidar de seu veículo de forma descomplicada, com bom atendimento, comodidade e sem sustos na hora de receber o orçamento terá boa imagem. O serviço da Honda representa isso da melhor forma. O fabricante que tornar a vida do cliente difícil na hora de manter seu carro, como a Kia e a Peugeot, perderão mercado.

Fica o recado às montadoras que querem se sair vencedoras na crise automotiva. E espero ter ajudado os consumidores a procurar o melhor para si e para todos. Como ocorreu nas ocasiões anteriores, as marcas precisaram se reinventar e melhorar seus produtos, e desta vez não será diferente.