Arquivo da categoria: Documentação

Saiba mais sobre o sistema de placas Mercosul

novas placas mercosul

Após muito suspense e muita discussão, os países integrantes do Mercosul decidiram que o novo sistema de placas de identificação dos veículos vigorará a partir de 1º de janeiro de 2017. O novo sistema escolhido se assemelha ao utilizado na União Europeia.

Saem as atuais placas de três letras e quatro números, sempre com a sigla à frente dos algarismos. No padrão do Mercosul, os caracteres podem ser dispostos em qualquer ordem e sequência, sendo que apenas o último deve ser obrigatoriamente um número, para efeitos de rodízio. Confira mais mudanças no novo sistema.

Continuar lendo

Anúncios

Golpe dos boletos de IPVA: cuidado simples para não cair

boleto falso

Exemplo de boleto falso de IPVA 2016

Golpes existem, sempre existiram e sempre existirão, em qualquer lugar do mundo. Com o objetivo de não trabalhar, os estelionatários têm muito trabalho em inventar ardis para ludibriar os incautos. A farsa mais recente são os boletos de IPVA forjados, enviados por correio.

ipva 2015 true

Exemplo de boleto verdadeiro de IPVA 2016

Os bandidos possuem alguma fonte de dentro dos Detrans para obter os dados e fabricar os boletos falsos, isso se não forem funcionários. Golpes com multas também se mostram comuns. Porém, como não existe crime perfeito, eles cometem deslizes graves. O pagador de impostos atento jamais será enganado, pois prestará atenção aos importantes detalhes listados abaixo:

1. Governos não cobram impostos por boleto de cobrança: todo tributo, seja ele federal, estadual ou municipal, possui documento específico para pagamento. O IPVA não é diferente: ele deve ser pago nas agências bancárias ou pelo internet banking utilizando o número do Renavam do veículo. O crédito será feito diretamente aos cofres públicos, sem intermediários.


AGORA PRESTE ATENÇÃO: OS BOLETOS FALSOS CONTÉM UM BOLETO DE COBRANÇA SEMELHANTE AOS DE CONTAS COMUNS, COMO FATURAS DE CARTÃO, ESCOLA, CONDOMÍNIO, ETC. AO REALIZAR O PAGAMENTO, O DINHEIRO CAIRÁ DIRETAMENTE NA CONTA DOS GOLPISTAS, SEM QUALQUER VÍNCULO COM OS GOVERNOS. O TRIBUTO TERÁ QUE SER  EFETIVAMENTE PAGO E O DINHEIRO DO BOLETO SERÁ ROUBADO.

O IPVA SERÁ PAGO APENAS COM O NÚMERO DE RENAVAM, NAS AGÊNCIAS BANCÁRIAS OU INTERNET BANKING. QUALQUER FORMA DIFERENTE DE COBRANÇA É GOLPE.


Devemos prestar atenção a outros detalhes menores, mas que também denunciam a ilegitimidade destes boletos:

Erros de português, pontuação e acentuação: estelionatários não dominam a língua portuguesa, de forma geral. Se o documento recebido mostrar gramática, ortografia, concordância e acentuação displicentes, trata-se de boleto falso. Órgãos públicos fazem revisão da redação de seus documentos.

Descontos “generosos” para o pagamento à vista: os governos raramente concedem descontos maiores que 5% para pagamento à vista. Nos boletos forjados, os larápios oferecem 15% de abatimento. Caso isso ocorra, se trata de mais um evidência de boleto falso.

Brasões, insígnias, siglas e formatação divergentes dos boletos usuais: os carnês de IPVA seguem um padrão gráfico que sofre poucas alterações de um ano para o outro, mas os boletos fraudulentos utilizam formatação muito diferente da verdadeira. Na dúvida, pegue os documentos de anos anteriores e verifique se os brasões, insígnias, siglas, fonte e formatação são iguais aos modelos de outros anos. Mudanças radicais entregam os boletos falsos.

Em resumo, o pagador de impostos atento perceberá claramente as dezenas de diferenças entre um boleto oficial e um fraudulento, principalmente na forma de pagamento do tributo. Basta um pouco de atenção, e você jamais será enganado.

IPVA 2016

Por que a cobrança de IPVA não faz sentido nos dias de hoje

O IPVA consiste em um imposto criado em 1985 em  São Paulo para substituir a Taxa Rodoviária Única, de 1969. Surgiu a pretexto de financiar a manutenção e conservação de ruas e estradas, mas é cobrado sob a figura de imposto, tipo de tributo não vinculado. Ou seja, os estados e municípios pode gastar os recursos como quiserem, não necessariamente na malha rodoviária.

Logo a ideia foi copiada pelos governantes de todos os outros estados, com alíquotas que variam de 0 a 4% sobre o valor venal do veículo, baseado na tabela Fipe. Cada governador define suas alíquotas e critérios, pois o tributo é de competência estadual. Há diversos fatores os quais fazem as alíquotas variarem, descritas abaixo: Continuar lendo

Os números de 2015 do E.A.- Obrigado

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2015 deste blog.

Aqui está um resumo:

Um comboio do metrô de Nova Iorque transporta 1.200 pessoas. Este blog foi visitado cerca de 4.100 vezes em 2015. Se fosse um comboio, eram precisas 3 viagens para que toda gente o visitasse.

Clique aqui para ver o relatório completo

Frota de carros no Brasil é a mais jovem da América Latina

Mais dados sobre o perfil da frota brasileira.

Digitais PUC-Campinas

Henrique Bighetti

A frota brasileira é a maior e mais jovem da América Latina, são mais de trinta e quatro milhões de automóveis espalhados pelo país. Uma pesquisa do Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças) revela que atualmente há cerca de um carro para cada cinco pessoas no país, proporção que era quase a metade a menos de uma década. No ano passado a frota brasileira cresceu 7% em relação a 2010 e algumas cidades apresentam índices similares aos de países desenvolvidos, como Alemanha e Estados Unidos, onde a média é de menos de dois habitantes por veículo.

A média de idade dos carros no Brasil é de 9,3 anos: cerca de 44% dos veículos no país tem até cinco anos de idade, 39% deles  tem entre 6 e 15 de uso no mercado e 14% tem entre 16 e 20 anos. Além de aumentar, a…

Ver o post original 139 mais palavras

Como é possível descobrir o modelo de um veículo sem vê-lo pessoalmente? Lendo o número do chassis. Aprenda.

chassi

Mesmo entre os amantes de veículos, poucos sabem o que está contido no número dos chassis. Você sabia que podemos descobrir muitas informações sobre o veículo em questão. Sobre o código da imagem acima, eu sei que ele é um:

Volkswagen GOLF, ano 1999, fabricado pela filial brasileira em São José dos Pinhais. Foi feito na plataforma 34X, tem motor 2.0 de 8 válvulas e airbag duplo e foi a unidade de número 60831 produzida na unidade paranaense da VW Brasil.

Você sabia que dava para saber tanto sobre um carro somente lendo o número dos chassis? Não? Surpreendente! A apostila no rodapé do post contém todos os dados quem compõem o número de chassis. Agora vou detalhar cada dígito do código:

9 – Região geográfica de fabricação – neste caso, representa a região que contém Brasil, Chile e Colômbia. Este carro foi fabricado no Brasil

BW – Código do fabricante e região – diz qual a empresa que produziu o veículo – BW representa a Volkswagen do Brasil Ltda.

H – Carroceria/Plataforma – indica em qual plataforma o veículo foi construído – H indica a plataforma 34X, na qual a Volkswagen faz o Bora, Golf, Cordoba, Touran, etc. O modelo em questão será especificado na sétima e oitava posições.

E – Motorização – especifica o motor aplicado neste veículo. Cada montadora tem seu código. – Na linha VW de 1999, o código E representa o motor 2.0 MI 8 válvulas de 116 cv.

2 – Equipamentos de segurança – detalha com quais equipamentos de segurança o veículo está equipado. – 2 significa que este veículo possui airbag duplo.

1J – Modelo do veículo – cada montadora define o código para cada variante que produz. – O 1J é o Volkswagen Golf.

X – Ano modelo do veículo – esta numeração contém o ano modelo do veículo, o qual difere do ano de fabricação – a letra X representa o ano modelo 1999.

2 – Dígito verificador – este dígito serve para evitar falsificações. É obtido por uma fórmula de soma e divisão dos dígitos anteriores, a qual está detalhada na apostila anexa.

4 – Local de fabricação – diz em qual fábrica o veículo foi produzido. Cada montadora possui o código de suas fábricas – 4 representa a fábrica da VW Brasil em São José dos Pinhais.

060831 – número de série – número sequencial que identifica o veículo individualmente. Com ele, o fabricante pode obter todas as informações sobre o veículo. É o RG do carro. Esta sequência é utilizada para chamar consumidores para recalls e é possível saber até o dia, hora, componentes, acabamento e até os funcionários envolvidos em sua produção.

A apostila anexa, utilizada por profissionais de perícia automotiva, contém o método de leitura de um número de chassis:

APOSTILA VINTECH_2012_13_07_2014

É possível saber muito mais sobre um veículo, e existem muitas outras numerações importantes, como o número do motor e do Renavam, os quais serão objetos de outros posts. Mais uma curiosidade revelada.

Mudanças no modelo de CNH, CRV e CRLV a partir de julho

A partir de julho, entrarão em vigor novos modelos de CNH (Carteira Nacional de Habilitação), CRV (Certificado de Registro do Veículo) e CRLV (Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo).

Eles trarão evoluções no que concerne à segurança contra falsificações, adulterações e fraudes no pagamento de taxas e tributos. A nova versão da CNH traz 28 dispositivos de segurança, contra os 20 do modelo atual. No caso do CRV e do CRLV, passam de 10 para 17.

Quem tem o modelo atual não precisa se preocupar, pois poderá usar normalmente até o vencimento. No ato na renovação da CNH ou licenciamento do veículo, eles serão automaticamente substituídos.

Se quiser mais informações, acesse o link do Jornal do Carro:

http://www.estadao.com.br/jornal-do-carro/noticias/servicos,veja-como-ficaram-os-novos-cnh-e-crv,22281,0.htm