Arquivo da categoria: Meio ambiente

Você sabe a quantidade de poluentes que seu carro emite?

você sabe a quantidade de poluentes que seu carro emite?

A cultura automotiva europeia se encontra em estágio bastante avançado em relação à brasileira, especialmente no que concerne à segurança veicular e emissão de poluentes. Por lá, todos os consumidores pesquisam e comparam as notas de crash tests e quantidade de poluentes emitidos pelo automóvel a ser adquirido.

Maus resultados levam à retirada de produtos do mercado e sérios danos à imagem dos fabricantes, a exemplo do dieselgate nos EUA.

No Brasil, a conscientização sobre as notas de segurança começa a avançar lentamente, como mostra a repercussão da nota zero recebida pelo Chevrolet Onix no impacto lateral do teste efetuado pela LatinNCAP, especialmente entre os gearheads.

Por outro lado, grande parte dos apaixonados por carros e motos desconhecem a unidade de medida de emissões, assim como os principais gases poluentes emitidos por motores a gasolina ou diesel.

O movimento ambientalista cresce a passos largos, mas pouquíssimos de seus defensores conhecem a quantidade de poluentes que seus veículos emitem na atmosfera. Tampouco, sabem qual é sua unidade de medida mais conhecida.

Posto isso, pergunto aos principais formadores de opinião sobre carros e meio ambiente, os autoentusiastas e ambientalistas:

VOCÊ SABE QUANTO O SEU CARRO OU MOTO EMITE DE GASES POLUENTES?

Continuar lendo

Anúncios

7 motivos para comprar um carro híbrido

ecologico

Muitos desejam possuir um automóvel com propulsão híbrida, mas esbarram em um grande obstáculo: são muito caros.

Menor emissão de poluentes, economia de combustível, isenção do rodízio, menor alíquota de IPVA e manutenção mais barata seriam bons chamarizes para a sua popularização, mas o preço de compra torna a compra proibitiva.

Vamos entender porquê os carros híbridos ainda custam muito. Basicamente, por três motivos:

Continuar lendo

Você sabe se o seu carro tem boa eficiência energética?

selo conpet eficiência energética

A maioria dos cidadãos brasileiros já conhece o selo PROCEL do Inmetro, o qual mede a eficiência energética de eletrônicos, eletrodomésticos e outros equipamentos elétricos.

Mas poucos conhecem o selo Conpet, também do Inmetro, responsável pela classificação de veículos automotores. Quem comprou automóveis zero quilômetro nos últimos dois anos deve ter observado que todos os modelos possuem a etiqueta colada no pára-brisa, mas a grande maioria dos compradores não lê suas informações. Neste link, estão contidas as informações e seu significado.

Continuar lendo

turbocompressor por dentro

Cuidados a se tomar com motores turbo

Depois de muitos anos de acompanhamento da tecnologia dos motores turbo, o consumidor brasileiro começa a comprar veículos equipados com este propulsor em grande escala. Muita força nas arrancadas e retomadas, performance excepcional e elasticidade, aliadas a baixo consumo, surpreendem até os mais céticos. Os proprietários destes veículos se mostram plenamente satisfeitos com o ótimo desempenho aliado a grande economia, em sua maioria. Conhecem os benefícios e poucos voltariam a ter um aspirado.

Apesar de grande parte dos motoristas ainda se mostrarem presos aos antigos preconceitos contra os sobrealimentados, como “carro de boy”, “não preciso de tanta potência, não gosto de correr”, “motor turbo quebra muito”, dentre outras afirmações sem respaldo técnico, o avanço desta tecnologia se mostra irreversível.

Considerando que a nova legislação de emissões de poluentes entra em vigor este ano, e sem a aplicação de turbocompressores não há possibilidade de ela ser cumprida. Gostem ou não, motores aspirados cairão em desuso nos próximos anos, fenômeno em fase avançada na Europa. Somente os híbridos e elétricos podem desafiar os sobrealimentados em performance e consumo, mas o alto preço das baterias ainda restringe seu uso. O motor turbo é a bola da vez.

turbo2

Após esta breve introdução, vamos ao ponto central do post. Aqueles que já possuem um veículo com motor turbo ou pretendem comprar um precisam conhecer as peculiaridades e cuidados desta tecnologia que encanta, mas também tem suas exigências. A lista abaixo detalha as mais importantes: Continuar lendo

Turbo: um grande aliado do meio ambiente

turbo

Turbocompressor ou turbina

O poder do turbocompressor consiste em uma dos raros artifícios mecânicos cujo resultado caiu no vocabulário do cidadão comum, leigo em relação ao mundo do automóvel.

Quando alguém busca um trabalho extra, diz que pretende “turbinar a renda”, quando uma mulher implanta silicone  nos seios, chamam-na de “turbinada”. Enfim, o termo se mostra assimilado pela sociedade como um todo.

Por outro lado, o senso comum observa apenas uma parte dos benefícios dos turbocompressores, o ganho de desempenho. Este post descreverá brevemente outros ganhos obtidos por este arranjo mecânico. Continuar lendo

Entenda a fraude dos testes de emissões dos carros da Volkswagen

TDI

Muito se fala sobre a fraude nos testes de emissões dos veículos da Volkswagen equipados com os motores EA 189, de 2 litros de deslocamento movidos a dieses. Esta unidade equipa os modelos Jetta, Passat, Tiguan, Golf, Audi A3, dentre outros. No Brasil, o único modelo equipado com este bloco é a picape Amarok. Quando ocorre algo assim, a grande maioria profere críticas sem entender o mecanismo de trapaça nos testes. O foco deste post reside em explicá-lo em detalhes. Continuar lendo

Conheça os gases poluentes que seu carro emite

emissões

Todo mundo está careca de saber que os automóveis, motocicletas e utilitários são grandes responsáveis pela emissão de poluentes, especialmente nas grandes cidades. Por outro lado, poucos conhecem os tipos de gases que eles colocam no ar e seus malefícios, tampouco a legislação em vigor para mitigar seus efeitos. Neste post, será feito um breve relato deste assunto tão complexo, de forma descomplicada e de fácil entendimento.

Os principais gases tóxicos emitidos pelos automóveis são:

CO (monóxido de carbono) – é um gás asfixiante. Diminui a oxigenação no sangue, causando tonturas, vertigens e alterações no sistema nervoso central. Uma vez na corrente sanguínea, transforma-se em CO2 e participa de reações fotoquímicas. Agrava problemas cardíacos e respiratórios. Em concentrações muito elevadas, leva à morte. São emitidos por todos os veículos, e sua emissão foi reduzida em mais de 90% desde o início do programa de redução de emissões (PROCONVE), em 1988.

NOx (Óxidos de nitrogênio) – são gases irritantes. Provocam desconforto respiratório, diminuição da imunidade e alterações celulares. Agrava os problemas respiratórios, como alergias, asma e bronquite. Sua emissão é feita majoritariamente por veículos movidos a diesel. Sua emissão foi reduzida em mais de 95% desde o início dos controles ambientais.

HC (hidrocarbonetos) – Assim como os óxidos de nitrogênio, provocam irritação nos olhos, nariz, pele e aparelho respiratório. São cancerígenos. Sua emissão é feita pelos motores de ciclo Otto (álcool e gasolina) e diesel. Sua emissão foi reduzida em 99% para os primeiros e em 80% para os demais.

CH4 (metano) – Apesar de não trazer grandes malefícios ao corpo humano, é um gás estufa. Seu excesso de emissão contribui para o aquecimento global. Não é avaliado pelo PROCONVE.

CHO (aldeídos) – Também é um gás irritante e provoca os mesmos efeitos do HC e NOx, e também é cancerígeno. Pelo fato de sua emissão ser menor que a dos demais poluentes, foi reduzida em 70% desde o início do programa de emissões veiculares. Aparece em ambos os ciclos de combustão.

MP (material particulado) – é a famosa fumaça, a qual aparece principalmente nos motores diesel. Além de causarem grandes danos ao sistema respiratório, pois ficam retidas nos alvéolos pulmonares, causando grande irritação e desconforto, também contribuem para agravar o efeito estufa. Desde o início do PROCONVE, sua emissão foi cortada em 95% para veículos novos.

CO2 (dióxido de carbono) – Assim como o metano, não é prejudicial à saúde, mas é o principal causador do efeito estufa, por ser o gás emitido em maior quantidade. Do ponto de vista da engenharia de motores, um aumento em seu volume costuma ser visto como algo positivo, pois ele é resultado de combustão completa, ou seja, o motor está trabalhando de maneira eficiente. A melhor forma de reduzir sua emissão reside na redução de consumo de combustível.

Desde a entrada em vigor da legislação PROCONVE, em 1988, a emissão de poluentes caiu mais de 90% para veículos novos. Ela ocorreu em cinco fases, com suas datas e principais inovações:

  • PL-1 – 1988 a 1991 – início do controle de emissões e inovações mecânicas para reduzi-las
  • PL-2 – 1992 a 1996 – catalisadores e injeção eletrônica. Controle de ruído.
  • PL-3 – 1997 a 2004 – reduções drásticas das emissões e consumo de combustível. Avanço tecnológico.
  • PL-4 – 2005 a 2008 – grande redução das emissões de HC e NOx. Melhoria na eficiência da combustão.
  • PL-5 – 2009 a 2013 – continuação no aprimoramento da eficiência energética.

Os documentos abaixo, de autoria do Ministério do Meio Ambiente e da SPTrans, descrevem com mais detalhes os avanços no controle de poluição e características da legislação:

http://www.mma.gov.br/estruturas/163/_arquivos/proconve_163.pdf

http://www.sptrans.com.br/pdf/biblioteca_tecnica/PCPV.pdf