Ir para conteúdo
Anúncios

Como algumas marcas conquistam a preferência do consumidor

sedans medios mais vendidos no brasil

Como algumas marcas conquistam a preferência do consumidor

Os sedãs médios mais vendidos do Brasil.
Os sedãs médios mais vendidos do Brasil.

O sonho de qualquer montadora reside em ter um veículo que seja o mais lembrado em sua categoria, o primeiro a ser lembrado pelo consumidor. Isso garante vendas com baixo investimento em engenharia de produto e marketing. O exemplo clássico é o Volkswagen Gol, o qual foi líder de vendas por quase 30 anos em nosso mercado e hoje está perdendo sua hegemonia. O que faz uma marca ou modelo perder a hegemonia?

Para facilitar a explicação, usarei como exemplo o segmento de sedãs médios e grandes. Até o final dos anos 90, mais de 80% das vendas vinham de duas marcas: Chevrolet e Volkswagen, com Monza, Opala, Vectra, Omega, Passat e Santana. As duas marcas tinham um nome forte nesse segmento e, à época, todos tinham a impressão de que nada faria a preferência dos consumidores mudar.

Hoje, 20 anos depois, o jogo se voltou contra as duas marcas tradicionais e os rivais Honda Civic e Toyota Corolla abocanham mais da metade das vendas em um segmento com muito mais concorrentes. Duas montadoras chegadas a pouco tempo por aqui tomaram a liderança de outras com mais de cinquenta anos de Brasil. Abaixo, serão numerados alguns motivos os quais possibilitaram as newcomers Honda e Toyota a ganhar a preferência de um consumidor tão exigente quanto o de sedãs médios:

  1. Forte investimento em marketing e qualidade: ao desembarcar no Brasil, a dupla japonesa estava ciente da força dos nomes Chevrolet e Volkswagen nesse segmento. Portanto, traçaram uma forte e longa campanha de marketing, ressaltando seus diferenciais competitivos como três anos de garantia e alta confiabilidade. As campanhas foram expostas por anos a fio e a qualidade prometida se revelou na prática, formando uma forte imagem na mente do consumidor de “carro que não quebra” e “superior em qualidade”. As duas marcas do ABC confiaram na tradição, a qual não foi suficiente para mantê-las na liderança.

2 .Produto superior à concorrência: enquanto a Chevrolet e Volkswagen apostaram nas receitas tradicionais, com motores de oito válvulas de boa confiabilidade, poucos equipamentos e tecnologia e manutenção barata, as japonesas apostaram em motores mais modernos, veículos mais completos e alinhados com os países desenvolvidos, ao mesmo tempo em que a qualidade igualava ou superava as rivais. Enquanto a Volkswagen vendia Santana e Bora com motor AP e a Chevrolet vendia o Vectra, com mecânica praticamente igual à do Monza, ambas provenientes dos anos 80, Honda e Toyota entregavam motores com cabeçotes multiválvulas e comandos variáveis, com desempenho melhor e consumo menor, de projetos recentes. O fato de as montadoras “clássicas” não terem atualizado seus produtos enfraqueceu sua tradição no segmento dos médios, ao mesmo tempo em que ajudou a dupla nipônica a criar a sua própria, aliada à hegemonia de vendas.

3. Mudanças de hábito dos consumidores: o atual consumidor de sedãs médios é exigente e tem a mente aberta a novidades tecnológicas. Pela difusão da tecnologia presente em outros países, houve uma forte mudança no perfil do comprador dessa categoria, em sua maioria entre 40 e 60 anos de idade. Este novo consumidor não se apega a marcas e tradições, transita rapidamente para a marca que oferecer o produto mais competitivo. Os motoristas mais velhos costumam ser mais fiéis a uma marca e valorizam a mecânica robusta e fácil de reparar. Buscam um veículo mais básico, costumam ser avessos a aparatos tecnológicos. Enquanto os mais jovens não abrem mão de centrais multimídia, os mais experientes querem um bom CD player. Os primeiros valorizam mecânica moderna, com turbo e injeção direta, os últimos desejam um veículo que o mecânico da família repare sem dificuldade e por um preço módico. É fato que, conforme o tempo passa, o perfil dos tecnológicos avançará e o dos tradicionais tende a desaparecer. A montadora que não observar isso perderá mercado.

Após dez anos vendendo veículos defasados, Volkswagen e Chevrolet reagiram e lançaram veículos modernos, no início dos anos 2010: Jetta e Cruze, respectivamente. Mas eles retomaram a liderança de mercado? Não. Pois a construção de imagem da dupla japonesa foi muito forte, e hoje são elas que detém a tradição do segmento. As marcas do ABC paulista passaram de hegemônicas a desafiantes, pois perderam o bonde do avanço tecnológico e dos anseios de seus consumidores, e eles foram para a mão dos concorrentes. Agora já enxergam a realidade e ambas lançarão produtos de ótima qualidade e alta tecnologia, com motores turbo, muitos airbags e tecnologia embarcada. Mas terão que se esforçar muito para voltar ao top of mind dos compradores de sedãs médios.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: