Ir para conteúdo
Anúncios
como era andar de carro nos anos 80 e 90

Como eram os carros nos anos 80 e 90 – relatos de quem testemunhou

Este conjunto de artigos traz um breve relato de um autoentusiasta que viveu a realidade da indústria e trânsito de trinta anos atrás, antes da abertura das importações. Tudo descrito com a máxima riqueza de detalhes.

Anúncios
diferenças entre gearheads e motoristas comuns

7 diferenças entre um GearHead e um motorista comum

Autoentusiastas enxergam o automóvel de uma maneira muito diferente do motorista comum, prestando atenção em detalhes que passam despercebidos aos leigos e priorizam fatores pouco lembrados pela maioria. Ficam vendo carros à venda em sites de comércio, ouvem roncos de motor, defendem marcas de carro como times de futebol e antigos chamam mais sia atenção do que carros de luxo zero quilômetro.

Questionando o comportamento do condutor brasileiro

Os artigos anteriores discorreram sobre o cenário caótico do trânsito brasileiro, suas causas e efeitos, juntamente com uma proposta de fiscalização moderna e eficiente. Infelizmente, a repressão por meio de multas ainda se mostra necessária. Este artigo analisa a postura do motorista brasileiro, traçando paralelos com os de outros países. Conclui-se que não haverá melhora sem mudar a cultura do povo ao dirigir.

Está tudo errado com o trânsito brasileiro!

Na discussão sobre o cenário atual do trânsito brasileiro, existe apenas um consenso: a quase totalidade dos brasileiros acredita que há pouco o que elogiar sobre o ato de ir e vir nas ruas, avenidas e estradas brasileiras.

Todos têm sua parcela de culpa: autoridades, agentes públicos, fabricantes e reparadores de veículos e os próprios condutores e participantes do trânsito.

A página Educação Automotiva aborda temas relacionados à segurança, qualidade das vias e métodos de cobrança de impostos e fiscalização no trânsito, assim como as atitudes dos condutores ao dirigir e comprar seus automóveis, motocicletas e veículos comerciais.

Este artigo traz um condensado de outras matérias abordadas ao longo destes dois anos:

por que a atual política de fiscalização de velocidade é estúpida e ineficaz - propostas

Radares: por que a atual política de fiscalização é estúpida e ineficaz – Parte 3

A fiscalização de velocidade serve apenas para arrecadar impostos para governos em dificuldades financeiras, sem compromisso algum com a melhoria da segurança no trânsito. De fato, há enorme quantidade de motoristas imprudentes, mas se o objetivo realmente fosse garantir o respeito aos limites de velocidade, a fiscalização por velocidade média seria implantado, a exemplo do que é feito em países como o Japão e Alemanha. Neste artigo, far-se-á a análise dos resultados e propostas para resolver de vez o problema.